O consumo excessivo de carne (principalmente vermelha e processada) vem sendo associado a doenças crônicas como câncer, diabetes (DM), doenças cardiovasculares (DCV) e excesso de peso.1,2,3

Cerca de 50g de carne processada aumenta o risco em 42% de DCV e 19% de DM.1

1 Micha R, Wallace SK, Mozaffarian D. Red and Processed Meat Consumption and Risk of Incident Coronary Heart Disease, Stroke, and Diabetes Mellitus: A Systematic Review and Meta-Analysis. Circulation. 2010;121(21):2271-83.
Vergnaud et al, 2010. Meat consumption and prospective weight change in participantes of the EPCI-PANACEA study. Am J Clin Nutr; 2010;92:398-407.
3 World Cancer Research Fund / American Institute for Cancer Research, Food, Nutrition, Physical Activity, and the Prevention of Cancer: a Global Perspective, Washington DC: AICR; 2007. 

O Brasil é um dos maiores consumidores e produtores de carne no mundo, provocando grande impacto no meio ambiente. 

Para cada quilo de carne produzida, há emissão de cerca de 44kg de equivalentes de CO2 no ambiente. Para simples comparação, um carro emite em média 186g de CO2 por km percorrido, isto é, a produção de 1kg de carne equivale a distância entre São Paulo e Campos do Jordão (237km).1

1 Steinfeld H, Gerber P, Wassenaar T, CastelV, Rosales M, Haan C. Livestock's long shadow: environmental issues and options. Food and Agriculture Organization of th United Nations: Roma, 2006.

Além dos agravos na saúde e no meio ambiente, a carne tem um impacto para os animais. No mundo, cerca de 70 bilhões de animais terrestres são destinados ao consumo humano a cada ano.

1 Steinfeld H, Gerber P, Wassenaar T, CastelV, Rosales M, Haan C. Livestock's long shadow: environmental issues and options. Food and Agriculture Organization of th United Nations: Roma, 2006.